Página 1 dos resultados de 15 itens digitais encontrados em 0.001 segundos
Resultados filtrados por Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências

‣ Magnetic petrology of the Água Azul and Água Limpa granodiorites, southern portion of the Carajás Domain - Pará; Petrologia magnética dos granodioritos Água Azul e Água Limpa, porção sul do Domínio Carajás - Pará

Gabriel, Eleilson Oliveira; Oliveira, Davis Carvalho de
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2013 Português
Relevância na Pesquisa
18.094917%
Os granodioritos Água Azul (GrdAA) e Água Limpa (GrdAL) afloram no extremo sul do Domínio Carajás como dois corpos alongados segundo o trend regional E-W, anteriormente inseridos no Complexo Xingu. O GrdAL é formado essencialmente por biotita-anfibólio granodioritos e muscovita-biotita granodioritos, além de anfibólio-biotita tonalitos subordinados; no GrdAA, epídoto-anfibólio-biotita granodioritos são dominantes, epídoto-anfibólio-biotita tonalitos e (anfibólio)-epídoto-biotita monzogranitos, subordinados. Essas rochas mostram assinaturas geoquímicas afins dos sanukitoides arqueanos. O estudo de suscetibilidade magnética (SM) mostrou valores relativamente baixos para o GrdAL (média de 17,54 × 10-4 SIv) e o GrdAA (média de 4,19 × 10-4 SIv). Os estudos dos minerais opacos mostram que a magnetita e a hematita são as fases comuns e que a ilmenita está ausente nessas rochas. O GrdAL contém titanita associada à magnetita, enquanto o GrdAA contém pirita, calcopirita e goethita. No GrdAL, a magnetita é mais abundante e desenvolvida que no GrdAA, justificando, assim, sua SM mais elevada. A martitização da magnetita e a oxidação dos sulfetos, gerando goethita, ocorreram a baixas temperaturas. A correlação positiva entre os valores de SM e os conteúdos modais de opacos...

‣ Reavaliação e novos dados geocronológicos (Pb/Pb e K/Ar) da região do quadrilátero ferrífero e adjacências

Endo, Issamu; Machado, Rômulo
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2002 Português
Relevância na Pesquisa
18.094917%
Os estudos geocronológicos efetuados no Quadrilátero Ferrífero e regiões adjacentes têm sido fundamentais para a elucidação dos processos geodinâmicos relacionados à formação e consolidação deste segmento crustal. São reconhecidos dois conjuntos estratigráficos maiores: o Supergrupo Rio das Velhas e unidades correlatas, e o Supergrupo Minas. O evento geológico melhor caracterizado (U/Pb, em zircão) está associado à deposição, metamorfismo e magmatismo do Supergrupo Rio das Velhas. O magmatismo associado ao evento metamórfico principal desta unidade se deu no intervalo entre 2.780 Ma e 2.730 Ma. Rochas vulcânicas do Grupo Nova Lima (base do Supergrupo Rio das Velhas) apresentaram idade (U/Pb, em zircão) de 2.770 Ma. Datações (Pb/Pb) em rochas carbonáticas do Supergrupo Minas forneceram idades de cerca de 2.420 Ma. Granitóides intrusivos na seqüência basal do Supergrupo Minas forneceram idades de 2.612 Ma (U/Pb, em zircão) e 2.608 Ma (Pb/Pb, em zircão por evaporação). A idade do magmatismo Transamazônico está bem registrado em granitos alojados em descontinuidades crustais ocorridos em torno de 2.120 Ma. O ciclo Brasiliano foi responsável pelo reequilíbrio isotópico diferenciado do sistema K/Ar. São controversos os parâmetros tectônicos como vergência e polaridade metamórfica dos eventos arqueanos e paleoproterozóicos.; Geochronological investigations have clarified the geodynamic process and ages of the Rio das Velhas Supergroup and Minas Supergroup...

‣ Características isotópicas (Nd e Sr) do plutonismo intrusivo no extremo NW do Cráton Amazônico, Venezuela, e implicações para a evolução paleoproterozóica

Teixeira, Wilson; Tassinari, Colombro Celso G.; Mondin, M.
Fonte: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências Publicador: Universidade de São Paulo. Instituto de Geociências
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 01/12/2002 Português
Relevância na Pesquisa
18.094917%
Rochas granitóides intrusivas em terrenos arqueanos e paleoproterozóicos contíguos, em território venezuelano, foram estudadas em termos da geoquímica isotópica de Nd e Sr, para fins de caracterização petrogenética. Tais plútons estão associados à evolução tectônica das províncias paleoproterozóicas Maroni-Itacaiúnas e Ventuari-Tapajós da parte setentrional do Cráton Amazônico. A suíte Encrucijada (2187 ± 94 Ma), intrusiva no Complexo Imataca, originou-se predominantemente da fusão parcial do substrato arqueano, conforme evidenciam parâmetros negativos de µNd(2, 1Ga) (-2,2 a -4,9) e idades T DM entre 2,82 e 2,49 Ga. Por outro lado, os plútons do Complexo Supamo (2230 - 2050 Ma) e do Grupo Cuchivero (1980 - 1830 Ma), que ocorrem nas províncias crustais adjacentes, são caracteristicamente juvenis (derivados de protólitos paleoproterozóicos). Suas idades T DM concentram-se entre 2,13 e 2,22 Ga, e os valores de µNd(2, 1Ga)são sistematicamente positivos, entre +0,74 e +3,05. Interpretação tectônica em diagramas de correlação isotópica (143Nd/144Nd vs. 147Sm/144Nd e 143Nd/144Nd vs. idade) comparando os dados das rochas plutônicas e do Complexo Imataca, tendo em consideração o acervo geocronológico e geológico da extremidade NW do Cráton Amazônico...